Publicado por: A Ovelha Perdida | 23 de Fevereiro de 2012

A pior solução é institucionalizar uma criança

As crianças que estão institucionalizadas têm dificuldade em criar laços afetivos com quem cuida delas, revela um estudo da Universidade do Minho, que aponta que a solução está em alternativas de cariz familiar, nomeadamente a adoção.

O estudo resulta de uma investigação levada a cabo pela Escola de Psicologia da Universidade do Minho (UM) e aponta que “mais de metade das crianças institucionalizadas exibe padrões atípicos de vinculação, isto é, apresenta dificuldades na criação de laços com os cuidadores institucionais”.

“Esta realidade parece estar associada à escassez de cuidadores nas instituições, o que não permite uma individualização dos cuidados prestados”, revela o estudo intitulado “Desorganização e Comportamentos Perturbados de Vinculação num grupo de crianças portuguesas institucionalizadas”.

De acordo com informação do gabinete de comunicação da UM, trata-se de um estudo inédito, uma vez que estudou exclusivamente crianças com idades entre os 12 e os 30 meses de idade. Os 85 bebés estavam aos cuidados de 19 centros de acolhimento da zona norte do país.

“A investigação mostra que metade das crianças tem comportamentos perturbados de tipo indiscriminado, 29 por cento apresenta comportamentos de tipo inibido e 29 por cento manifesta comportamentos de distorção de base segura”, lê-se no comunicado.

Na opinião da orientadora da responsável pelo estudo, Isabel Soares, “a hipersociabilidade e a abertura excessiva a pessoas desconhecidas são comportamentos de risco para a própria criança” porque “traduz-se numa incapacidade por parte da criança de se proteger, tornando-a mais vulnerável a abusos ou a manipulações”.

Por outro lado, “as crianças com comportamentos de tipo inibido são mais retraídas, o que também é problemático em situações de dificuldade, uma vez que não conseguem pedir apoio”.

Acrescenta que “os estudos têm mostrado que o comportamento indiscriminado é o mais difícil de reverter”, já que “muitos pais afirmam que os filhos adotivos continuam a apresentar este tipo de conduta”.

A responsável pelo estudo, Joana Silva, defende, por isso, que “a solução está na promoção de alternativas provisórias com um cariz familiar”, nomeadamente a adoção.

“A institucionalização não reúne as condições mínimas para o desenvolvimento adaptativo de um bebé, que precisa de um cuidador estável, disponível, sensível e focado nas suas necessidades”, uma vez que “é impossível proporcionar numa instituição o mesmo tipo de cuidados dados no contexto familiar, até porque os recursos são escassos, muitas vezes por motivos económicos”, aponta a investigadora.

A orientadora Isabel Soares acrescenta que “quanto maior for o tempo de institucionalização, mais nefastas serão as suas implicações no desenvolvimento emocional, cognitivo, social e académico destas crianças” e que “a experiência pós-adoção mostra que as crianças começam a apresentar índices de crescimento físico e cognitivo próximos daquilo que é esperado em função da idade”.

Fonte: DN.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: