Publicado por: A Ovelha Perdida | 20 de Dezembro de 2010

Portugal lidera a Europa das crianças pobres

Portugal foi um país que deu importância ao Ano Europeu Contra a Pobreza com 135 mil visitas no site oficial e 18 mil fãs no Facebook. Em 2010, a situação de muitas famílias agravou-se e Portugal liderou a tabela dos europeus com mais crianças pobres. As expectativas para 2011 não são melhores.

Quando foi idealizado, o Ano Europeu de Combate à Pobreza e Exclusão Social seria uma forma de marcar na agenda a questão da pobreza. No entanto, «por surpresa, chega a crise e o ano europeu aparece como que a vir dar resposta a ela», lembra o padre Jardim Moreira, presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza.

Este ano acabou por ser um período de agravamento da situação dos mais desfavorecidos: «Vemos a pobreza a aumentar de forma desmesurada, causada pelas falências, desemprego e falta de apoio a muita gente que não recebe subsídios porque não descontava. Temos um mundo de gente em maus lençóis», alerta.

Entre os grupos mais frágeis, Jardim Moreira escolhe as crianças e lembra os últimos dados do Eurostat que colocam «Portugal à frente na Europa com a maior percentagem de crianças pobres»: um em cada quatro meninos que vivem no país passa dificuldades.

«É a falta de habitação, de higiene, de saúde, de acompanhamento familiar… São um conjunto de situações que levam a que a criança não tenha as condições necessárias para um crescimento integral e equilibrado», explica, sublinhando que a pobreza não se resume a ter ou não dinheiro.

Jardim Moreira diz que estas crianças são «filhas de mães adolescentes, solteiras, divorciadas, que ficam muito debilitadas no seu apoio». Depois, «abandonam a escola» ou «têm insucessos escolares». No futuro «terão necessariamente dificuldades de reinserção».

É ainda cedo para perceber se foi o agravamento da crise que fez com que a problemática ganhasse destaque ou se foi o Ano Europeu que fez com que o tema passasse a ser mais falado. Certo é que em 2010 a palavra ‘pobreza’ passou a estar diariamente nos média.

«Este ano tivemos um grande empenho da imprensa nas questões da pobreza», diz Edmundo Martinho, presidente do Instituto da Segurança Social e responsável pelo ano europeu em Portugal.

De acordo com números do gabinete responsável pelo ano europeu, na imprensa escrita e online, as notícias sobre o tema ultrapassaram as 3300. Na televisão, 220 notícias falaram no Ano Europeu. E na rádio mereceu 139 notícias. Estes números só dizem respeito a peças em que tenha sido referido expressamente o Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza. Existem muitas outras sobre pobreza que não estão aqui contabilizadas, alertam os responsáveis pelo ano europeu em Portugal.

Além da comunicação social, Edmundo Martinho salienta a «mobilização muito elevada» das associações e da sociedade civil. E as expectativas para 2011 não são as melhores: «Este ano não é um positivo para muita gente mas no próximo, com as propostas e agravamentos que vão ser impostos à sociedade portuguesa, vão piorar as condições de muita gente», acrescenta o padre Jardim Moreira.

«Portugal foi o país onde mais se cuidou e discutiu a pobreza, mas ficou-se muito na resposta assistencialista e essa não muda, não acaba com o problema», conclui.

Fonte: Lusa/ SOL


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: